Coffee Lover

O que é café descafeinado? Como fazer?

Você gosta de café descafeinado? Sabe como o processo para retirar a cafeína é feito?

Café descafeinado? Parece até estranho, mas sim. Ele existe!

O café descafeinado é basicamente mais uma opção para atender os consumidores que querem evitar os efeitos da cafeína, mas fazem questão de continuar a beber o cafezinho diário.

Existem diversos métodos para retirar a cafeína do grão de café! Porém muitos deles são caros e outros até considerados por alguns como sendo prejudiciais para a saúde. Como por exemplo o método que utiliza o cloreto de metileno.

E café descafeinado desde o pé, existe?

Várias pesquisas já foram feitas a fim de se descobrir um meio de se cultivar a planta com baixo nível de cafeína, mediante o cruzamento de espécies.

Assim foi desenvolvida uma variedade da espécie arábica chamada Laurina. Assim teremos uma forma natural do descafeinado ou com ainda menos cafeína.

leia também ~> As substâncias do café e seus efeitos

Enquanto não temos grandes plantações da planta sem cafeína, recorremos à física!

Então vamos lá, conhecer os métodos de fazer café descafeinado, que se baseiam em nada mais que princípios básicos da física e da química (difusão e concentração)!

Café descafeinado – Processos:

Café descafeinado por solventes: Até a década de 70, este era o único método utilizado para descafeinização do café.

Os solventes utilizados eram geralmente: o benzeno, éter, álcool, clorofórmio, hidróxido de amônia, acetona e tricloroetileno.

café descafeinado - processo

café descafeinado – processo

Existem duas formas de extrair a cafeína do grão através de solventes: Com solventes orgânicos (método direto) e com água (método indireto).

Antes de iniciar o processo, é feita uma preparação dos grãos.

Os grãos crus de café são cozidos no vapor ou na água, assim a umidade aumenta e a cafeína vai para a superfície do grão, ficando mais disponível para ser extraída.

Solventes orgânicos – café descafeinado

Neste processo, os solventes mais utilizados são o acetato de etila e o cloreto de metileno.

O acetato de etila é encontrado em algumas frutas e em 1982 foi aprovado e escolhido pelo FDA (Food and Drug Administration) como o principal solvente para descafeinação do café, pois não existe indícios de toxicidade.

Café descafeinado por este método não é fiscalizado em relação às quantidades de solvente.

Já o cloreto de metileno, de acordo com algumas pesquisas, foi considerado prejudicial à saúde. Apesar de ser considerado seguro (em certas dosagens) pelo Programa Britânico de Toxicologia.

A partir daí, o FDA regulamenta o nível máximo de 10ppm de cloreto de metileno no café descafeinado.

O solvente é misturado à água, e num recipiente coloca-se os grãos de café e o solvente. Fazendo-se esse solvente circular em volta dos grãos para a retirada da cafeína.

Essa mistura de água + solvente + cafeína é escorrida do recipiente. Repete-se o processo até que o resíduo de cafeína esteja abaixo do permitido por lei.

Feita a extração da cafeína, os grãos são secados a 100 graus Celsius, garantindo que o solvente seja evaporado em sua (quase) totalidade – daí o risco.

Água – café descafeinado

Esse processo é uma alternativa à utilização de solventes químicos, pensada pela primeira vez em 1934 por Jean Maclang.

Sabidamente, a solubilidade da cafeína em temperatura ambiente é de apenas 2%. Mas quando elevamos esta temperatura a 100 graus, a solubilidade vai para 70%, ou seja, a esta temperatura, a cafeína fica dissolvida na água!

café descafeinado - processo

café descafeinado – processo

Essa água com cafeína é drenada do recipiente, para um tanque onde é tratada com um solvente que remove somente a cafeína e aí essa água é evaporada, ficando apenas os outros compostos do café que poderiam ter sido perdidos no processo anterior. Aí coloca-se novamente estes compostos no grão de café.

Gás carbônico (CO2) Supercrítico

Outro método utilizado para fazer o café descafeinado é por gás carbônico supercrítico.

O CO2 não tem propriedades solventes à temperatura e pressão atmosférica e por isso tem que ser convertido a estado supercrítico, aparecendo sobre a forma de gás liquefeito.

Um fluido supercrítico é uma substância cujas temperatura e pressão estão acima do ponto crítico onde não se pode diferenciar as fases da matéria. Não é caracterizado em sólido, líquido ou gasoso.

O fluido pode dissolver como um líquido e por ser um gás não deixa resíduos no solvente final.

Neste método os gás carbônico é utilizado para retirar a cafeína de forma seletiva, não alterando os demais componentes do café, ou os deixando praticamente inalterados.

E aí, gostou? Café e ciência caminhando sempre lado a lado. Com cafeína ou quase sem cafeína!

 

 

Tiemi Saito
Tiemi Saito

Ex-atleta de futebol, atualmente faz parte do time de nutricionistas da Kia Kaha Nutrindo Atletas, praticante de CrossFit e Coffee Lover. Não faz um treino nem calcula uma dieta sem antes tomar um bom café coado.

Nenhum comentário
Poste um comentário